Saiba como a TV corporativa pode melhorar a comunicação interna da sua empresa!

E-mail marketing, intranet, SMS — as ferramentas de comunicação interna são muitas, mas, se unidas, podem gerar um resultado ainda melhor. Dentro desse contexto, há também a TV corporativa, que apresenta vantagens, como o aumento do engajamento da equipe, a otimização de processos de comunicação interna e o maior alinhamento dos colaboradores em relação a pontos estratégicos para a companhia, por exemplo.

Se você não sabe o que é TV corporativa, como ela funciona e de que forma implementá-la na sua empresa, continue a leitura e conheça os benefícios dessa estratégia que auxilia tanto os gestores quanto as equipes. 

E então, pronto para saber tudo o que é necessário para criar um canal que realmente traga resultados? Acompanhe!

1. O que é uma TV corporativa?

A TV corporativa é uma mídia de transmissão em toda uma organização corporativa ou empresa. Ou seja, com ela é possível veicular — de maneira rápida, visual e estratégica — conteúdos relacionados à companhia e que sejam relevantes para os colaboradores.

Como isso ocorre? Os arquivos selecionados para tocarem diariamente na TV são reproduzidos de forma sucessiva — sejam eles vídeos, imagens, gráficos, animações etc.

Assim, a TV corporativa torna o processo comunicacional da empresa mais eficiente — e isso faz uma grande diferença para a organização. Afinal de contas, manter os funcionários informados sobre estratégias, metas e realizações é um passo importante para conseguir o envolvimento de todos.

Assim, confira algumas das vantagens da ferramenta de comunicação interna:

Mais visibilidade

Revistas, e-mails, cartões são meios de comunicação eficientes para se comunicar com o público interno, mas nem sempre serão tão visíveis. No caso da TV corporativa, a notícia estará ao alcance do olhar de todos que passarem, bem destacada.

Promoção da acessibilidade

Algumas plataformas, como a intranet, contam com algumas barreiras: o usuário deve, primeiro, saber da existência da informação, depois procurá-la, para então encontrar o que precisa. Além disso, pode haver dificuldades quanto à informática, por exemplo, o que dificulta a acessibilidade. A TV corporativa, por sua vez, exibe todas essas informações de forma clara, direta e objetiva.

Maior atratividade

Como afirmamos, a TV corporativa conta com a exibição de informações com diversos recursos: texto, vídeo, animação etc. Isso faz com que a atenção do público interno seja cativada com mais facilidade.

Objetividade

Com a TV corporativa, é possível organizar e padronizar a sua comunicação interna, o que faz com que a mensagem final seja entregue sem distorções a todos que trabalham na empresa, independentemente do nível em que atuam.

2. Quais as vantagens dessa estratégia para a comunicação corporativa?

Como mencionamos, a TV corporativa apresenta muitas vantagens quando o assunto é manter funcionários “na mesma página” e engajados com os objetivos da empresa. Mas, de forma prática, como isso ocorre? Confira alguns benefícios a seguir!

2.1 Divulgação de várias informações em um só meio

Atualmente, vivemos um tempo de informação multilateral: recebemos notícias, fatos e dados constantemente e em diversas mídias. A TV corporativa, no entanto, é uma solução que centraliza a informação, tornando-a acessível e bem distribuída.

Por isso, com a utilização da ferramenta não haverá mal-entendidos nem novidades que só serão conhecidas por determinado grupo, o que faz com que todos os empregados estejam cientes do que se passa na empresa.

2.2 Exibição de diversos conteúdos simultaneamente

Ao mesmo tempo em que centraliza a informação, a TV corporativa também acompanha a velocidade dos tempos em que vivemos, pois exibe diversos conteúdos simultaneamente. Assim, não é necessário parar para assistir à TV de fato, já que é possível saber as novidades por meio das pílulas de informação que o formato permite utilizar.

2.3 Treinamentos e disseminação de conhecimento

O fato de os conteúdos aparecerem sucessivamente faz com que todos consigam acompanhar as novidades exibidas na TV, e isso é uma ótima ferramenta para treinar os seus funcionários e disseminar conhecimentos que sejam interessantes para todos eles.

Assim, é possível exibir — além da programação habitual —  videoaulas que possam auxiliar os colaboradores em suas funções, relembrá-los de pontos importantes e também fornecer informações essenciais para que todos estejam atualizados sobre os processos da empresa.

2.4 Apresentação de material institucional

Outro ponto vantajoso da TV corporativa é a possibilidade de exibir o seu material institucional e, dessa forma, fortalecer a sua comunicação interna: notícias, dados que podem motivar os funcionários, comerciais e peças publicitárias serão todos úteis.

Aqui, o interessante é alinhar o que é veiculado externamente com o que será exibido na TV. Assim, você será capaz de fortalecer a cultura da empresa e transmiti-la de forma honesta aos seus colaboradores. Aproveite bem o espaço!

2.5 Venda de espaços publicitários para os parceiros

Como a TV regular, a corporativa também abre espaço para anúncios publicitários. Dessa forma, procure firmar parcerias com a indústria local: restaurantes, academias, salões de beleza e até escolinhas infantis, por exemplo, podem ser do interesse dos seus funcionários.

Para melhorar, que tal tentar fechar convênios e descontos para eles? Isso pode entrar no acordo na hora de negociar a venda do espaço publicitário.

2.6 Promoção de reconhecimento

Se a TV será vista por todos os empregados, por que não utilizá-la, também, para reconhecer funcionários publicamente? É possível usar o meio para informar sobre os aniversariantes do mês, quem foi promovido e situações afins. Desse modo, todos os empregados saberão sobre o êxito do colega e poderão parabenizá-lo, melhorando a integração da equipe e o senso de pertencimento na organização.

2.7 Forte apelo visual: animações, vídeos e fotos

Na Cisco — empresa de tecnologia dos Estados Unidos —, em 2019, a internet terá 80% do seu tráfego em vídeo. E o que isso quer dizer? Que os conteúdos com apelo visual despertam cada vez mais o interesse das pessoas que querem consumir informação de maneira fácil e intuitiva.

Assim, a TV corporativa apresenta mais uma vantagem em seu modelo comunicacional, pois permite que diferentes formatos sejam utilizados nas notícias. Animações, vídeos e fotos podem se complementar e transmitir a informação de maneira clara e rápida.

3. Como implementar a TV corporativa na comunicação interna?

Agora, que você já sabe como a TV corporativa pode, em termos práticos, ajudá-lo em diversos processos da sua empresa (e por isso deve fazer parte do seu plano de comunicação interna!), que tal aprender mais sobre como iniciar a sua programação? 

3.1 Escolha as imagens certas

A TV corporativa exibe cada notícia por tempo determinado, para que a comunicação seja dinâmica e eficiente. Assim, faz-se essencial que as imagens escolhidas chamem a atenção de quem passa, além de transmitir a informação rapidamente.

De acordo com o Buzzsmo, postagens do Facebook com imagens geram 2,3 vezes mais engajamento do que aquelas sem imagens, e matérias on-line que contam com uma imagem a cada 75-100 palavras recebem o dobro de compartilhamento nas mídias sociais. Isso quer dizer que as imagens atraem mais público, então evite textos ou parágrafos muito longos e invista em boas imagens!

3.2 Envolva as pessoas no processo criativo

Tenha uma equipe criativa (e não é necessário que seja um time exclusivo para isso) que trabalhe diretamente com o equipamento e pense em suas publicações. Essa equipe deverá unir a comunicação interna aos interesses do público interno para criar o conteúdo da TV.

3.3 Monitore o desempenho da sua TV corporativa

Concluídos os dois passos acima, é preciso monitorar e metrificar como anda o desempenho do novo canal de comunicação da empresa. Só assim você conseguirá saber o que está dando certo, o que está gerando mais engajamento e o que pode ser modificado, por exemplo.

Você pode contar com apps que medem o desempenho da sua TV corporativa por meio de indicadores que precisam o número de visualizações e o grau de interação das pessoas, por exemplo. Outra forma de fazer isso é por outros meios de comunicação interna, como a intranet. Com ela, você pode colher a percepção dos colaboradores sobre a mídia e incorporar novas ideias ao projeto.

3.4 Acerte na programação

A sua empresa é única, com suas particularidades e características. Assim, a sua estratégia de comunicação interna e a sua forma de falar com os colaboradores mudarão de acordo com a cultura, os valores e as metas.

Por isso, a criação da estratégia de programação da TV corporativa é essencial para destacar essas características e reforçá-las. Então, não queira repetir fórmulas aplicadas em outras empresas — embora você possa, por outro lado, encontrar referências para compreender como começar. Lembre, também, que a programação da sua TV corporativa deverá estar em constante evolução, à medida que você entende o que funciona melhor.

Dessa forma, é preciso que haja uma atualização constante na programação — e isso deve levar em consideração tanto as necessidades da empresa quanto as opiniões dos funcionários.

Outro ponto de muita importância, nesse sentido, é a flexibilidade para alterar a programação — preferencialmente, é indicado que isso seja feito até em tempo real, se necessário. Quer saber mais sobre isso? Confira, a seguir, uma fórmula para a criação do conteúdo para TV corporativa.

Regras de programação

Há uma regra chamada 4-1-1, que diz que, a cada seis conteúdos exibidos na TV corporativa, deve haver:

Quatro com informações importantes para o colaborador

Use esse espaço para disseminar regras ou mensagens que ajudem o empregado em seu trabalho. Um ponto importante, aqui, é levar em consideração a localização da TV. Se a tela estiver localizada na fábrica, por exemplo, pode-se exibir dicas de segurança do trabalho, índices de produção etc. Se forem entregues ao setor de marketing, por outro lado, pode-se mostrar as metas batidas e informações relacionadas.

Um com alguma informação interessante para o colaborador

Nessa tela, aproveite para entregar mensagens para reconhecer os empregados (como aniversariantes do mês, promovidos, contratados etc.), informações sobre convênios e outros.

Um com mensagens descontraídas

Use a TV corporativa para descontrair o ambiente e assim deixá-la mais atrativa. Pode compartilhar fotos do último evento empresarial, por exemplo, ou imagens motivacionais e curiosas. 

4. Há possibilidade de integração com outras mídias?

Ao longo dos últimos anos, a mídia mudou drasticamente — hoje, ela é mais do que uma página de anúncios, e-mail, banners, redes sociais ou um catálogo, por exemplo.

Atualmente, a mídia tornou-se um veículo personalizado que impulsiona os clientes (e os seus colaboradores também são um tipo de cliente, pois devem se sentir encantados pela empresa em que trabalham). Nesse contexto, a integração de mídias faz-se necessária para se comunicar com a excelência e o dinamismo exigidos pela era em que vivemos.

Agora, veja algumas possibilidades de integração oferecidas pela TV corporativa, que, por sua vez, é um dispositivo multimídia. Como já mencionamos, conta com a exibição de formatos diferentes — texto, gráficos, imagens, animação e vídeo, por exemplo.

4.1 Possibilidades de integração com mídias sociais

As mídias sociais fazem parte da nossa vida. E, por essa razão, são cruciais para o sucesso da estratégia de marketing digital de qualquer empresa — afinal de contas, elas são responsáveis por humanizar o contato da companhia com o seu público, inclusive o público interno.

Assim, além de tê-las online, uma boa prática é vinculá-las à TV corporativa. Então, que tal integrar as contas do Twitter, Facebook e Instagram, por exemplo? Para ter sucesso nessa empreitada, procure criar conteúdos que engajem e atraiam ambos os públicos, o interno e o externo. 

Como? Tente mostrar humor e alguma emoção em suas postagens para que o seu público possa se relacionar com a sua marca. Confira algumas dicas para fazer comunicações interativas:

  • pergunte sobre o seu público;
  • compartilhe notícias em vez de apenas informações sobre seus produtos ou serviços;
  • crie postagens que possam gerar interação — aposte em conteúdos memoráveis!

4.2 Possibilidade de integração com notícias da intranet

A intranet é um braço essencial da comunicação interna. Trata-se de uma rede privada em que os funcionários, conectados com toda a empresa, têm acesso a arquivos, notícias e informações confidenciais.

Assim como a TV corporativa, a intranet é uma ótima centralizadora de conteúdo. Entretanto, por depender de um acesso constante, pode fazer com que nem todos estejam atualizados sobre assuntos importantes ou até mesmo urgentes. Afinal de contas, nem todos os empregados podem conferir a intranet diariamente (como os que trabalham na fábrica, por exemplo).

Nesse contexto, a integração da ferramenta com a TV corporativa faz com que a sua comunicação seja ainda mais efetiva. Como mencionamos no início do texto, você pode compartilhar as notícias internas na TV e também outras informações da intranet, como os aniversariantes do dia ou dar boas-vindas aos recém-contratados, por exemplo.

4.3 Possibilidade de integração com notícias da internet

A sua TV corporativa pode também veicular notícias externas, notícias RSS (que são atualizadas automaticamente, de acordo com os assuntos de seu interesse), por exemplo. Outra possibilidade é a curadoria de notícias on-line, que poderão, mais tarde, ser inseridas na programação de forma manual.

5. Como melhorar a comunicação interna na sua empresa?

A comunicação interna é importante para que qualquer organização funcione de forma efetiva, e nós sabemos bem disso! Por isso, os funcionários devem sentir que podem se comunicar facilmente tanto com seus colegas quanto com a administração da empresa, pois isso influencia de forma direta na produtividade e nos resultados globais. Por isso, atente para algumas dicas a fim de melhorar a comunicação interna na sua empresa:

5.1 Faça com que a informação seja acessível

Toda organização tem o seu próprio conjunto de conhecimento interno e, geralmente, leva algum tempo para que um funcionário novo aprenda isso de forma orgânica, por exemplo. Assim, conte com a sua TV corporativa para ajudar os colaboradores a aprenderem essas informações de forma mais rápida, além de aproveitar esse espaço para que o funcionário esteja mais perto dos processos e da realidade da organização em que trabalha.

Que tal apostar em pequenos treinamentos em vídeo para isso, por exemplo? Conte, em publicações periódicas, os resultados e as metas. Dessa forma, o empregado se sentirá mais seguro e, por isso, entenderá melhor o seu papel na instituição.

Dica extra: além de exibi-los na TV, posteriormente disponibilizar esses relatórios também na intranet pode ser uma boa prática.

5.2 Fortaleça a cultura e a missão da empresa

Aproveite o tempo para explicar os valores e a missão da empresa, seja como parte do treinamento corporativo, seja como lembrete regular para os funcionários. Quando os funcionários estão unidos em sua compreensão dos objetivos da empresa, eles podem se comunicar mais eficazmente para alcançá-los.

Sabe como fazer isso? Veja algumas dicas:

Crie conexões

Não só a comunicação deve ser melhorada entre os membros da equipe que trabalham em conjunto, mas entre os funcionários e seus gerentes. E a TV corporativa é ótima para transmitir a informação de maneira centralizada e horizontal.

Assim, certifique-se de abordar isso durante a programação e incentive que as conexões sejam formadas. Afinal de contas, a liderança que reserva um tempo para conhecer seus funcionários está mais disposta a ouvi-los. Os funcionários, por outro lado, acharão mais fácil se comunicar quando existir essa abertura. 

Incentive o diálogo aberto

A TV corportativa pode ajudá-lo nisso. Use-a para manter os funcionários atualizados sobre as mudanças, o progresso e os planos futuros da empresa. Além disso, permita que os funcionários estejam envolvidos na discussão.

Como já mencionamos antes, pratique e incentive perguntas e comentários — mostre que todas as ideias são bem-vindas. Os funcionários são mais propensos a se comunicar bem quando se sentem integrados à empresa e aos rumos que ela está tomando.

Saiba o poder do compartilhamento de informações

Compartilhar informações é compartilhar conhecimento. Os funcionários, provavelmente, leem sobre notícias e tendências da indústria com frequência, mas que tal se essas informações partirem da sua própria empresa?

Isso gerará confiança e senso de pertencimento nos colaboradores, que saberão das novidades da empresa antes de outras pessoas. 

5.3 Conte com ferramentas propícias

Existem muitos tipos de ferramentas on-line — intranet, redes sociais, e-mail marketing — que podem ser usadas para facilitar a comunicação, e a TV corporativa é uma que reúne várias delas em um único equipamento.

Essas ferramentas, por sua vez, são de grande valia para o acompanhamento do progresso de um projeto, por exemplo, no qual todos precisam estar na mesma página. Embora a comunicação cara a cara seja sempre importante, a TV corporativa pode ajudar nesse processo, economizando tempo e transmitindo a informação de forma consistente.

5.4 Planeje eventos externos

Crie oportunidades para que os funcionários se encontrem fora do escritório. Nada dificulta a comunicação mais do que quando há funcionários da empresa que não se conheceram verdadeiramente. Planeje uma festa de férias ou uma hora feliz após o trabalho. Isso também dá aos funcionários algo a desejar, o que pode facilitar melhor engajamento e comunicação mais forte.

5.5 Meça a eficiência da sua comunicação interna

Campanhas de comunicação interna bem-sucedidas oferecem retornos a longo prazo. Então, após investir na TV corporativa e melhorar a sua estratégia, é primordial que você sempre meça a eficiência da comunicação interna. Para fazer isso, aqui vão alguns pontos importantes:

  • analise as mudanças recentes na produtividade, nas vendas e nos lucros;
  • realize pesquisas sobre a felicidade dos funcionários e a realização do trabalho;
  • reveja as últimas taxas de retenção de pessoal.

Viu só? A TV corporativa chama mais a atenção dos empregados do que murais estáticos ou e-mail, pois tem programação customizada e dinâmica, além de utilizar linguagem similar à dos canais da TV aberta. Outro ponto importante é que a ferramenta possibilita o alinhamento da comunicação interna da empresa, o que permite maior integração do time.

Com o planejamento certo, você pode implementar um sistema desse na empresa e ainda melhorar a comunicação interna de forma versátil, moderna, efetiva e dinâmica. Como resultado, terá maior participação e engajamento entre os funcionários, disseminação da cultura organizacional, eventos, metas alcançadas etc., o que interferirá não só na maior facilidade de gerenciamento, mas também na produtividade geral.

Se você gostou das nossas dicas e quer saber mais sobre o assunto, que tal conferir o nosso post sobre os benefícios de inserir a digital signage no plano de comunicação interna? Nós nos vemos por lá!

Comunicação interna nas empresas: 5 dicas para melhorar já!

Você já se perguntou o quanto a produtividade e o clima corporativo poderiam ser melhores com uma eficiente comunicação interna nas empresas? O quanto isso poderia facilitar e modificar positivamente o dia a dia de trabalho de todos os colaboradores?

Saber como se comunicar com os funcionários é vital para qualquer negócio. Dar espaço para que eles tirem suas dúvidas, deem sugestões e interajam com seus superiores pode ser uma incrível estratégia para unificar a equipe e também para que a companhia se diferencie das concorrentes.

É como dizem: “a união faz a força”. Se você ainda estiver com dúvidas, acompanhe o texto e entenda por que a melhora na comunicação interna nas empresas pode fazer toda a diferença.

Por que melhorar a comunicação interna nas empresas?

Manter uma comunicação clara, objetiva e amistosa é indispensável para quem almeja o engajamento da equipe e uma produção mais assertiva. Também é ela ques evita erros e melhora o ambiente de trabalho.

A comunicação interna garante que a equipe fique informada dos acontecimentos e novos projetos da corporação, além de dar a chance para que todos se manifestem. Ou seja, as pessoas se sentirão incluídas, valorizadas e, consequentemente, mais motivadas.

Dessa forma, fica mais fácil alinhar o foco de todos os setores com a missão e os valores do seu negócio, fazendo com que todos de fato vistam a camisa.

Como aprimorar a comunicação interna da sua empresa?

1. Interaja com seus colaboradores

Os gestores e líderes precisam conhecer as pessoas com quem trabalham, pois é só dessa forma que conseguirão compreendê-las e ajudá-las em suas dificuldades. Não estamos falando de reunião pós-expediente, na qual se fala de trabalho e possíveis pontos de melhora, mas sim de uma conversa informal.

Interaja com seus colaboradores abordando assuntos diversos. Pergunte sobre suas famílias, hobbies, esportes e viagens, por exemplo. Se for para falar de trabalho, dê espaço para que expressem suas expectativas e opiniões acerca de um determinado assunto. Saber ouvir a sua equipe é importante.

2. Evite rumores e fofocas no ambiente

Rumor e fofoca são maus hábitos capazes de contaminar toda a sua equipe, como uma doença contagiosa. Para evitar a famosa “rádio peão”, aposte numa comunicação esclarecedora e transparente: centralize os avisos e notícias para que todos tenham acesso, não permitindo espaço para invenções.

Para não prejudicar a qualidade dos processos e desestabilizar seus funcionários, não tolere informações inacessíveis e transmissão de uma pessoa para outra. Uma hora esse tipo de situação se tornará um telefone sem fio, que começa com uma mensagem X e termina Y.

Você pode driblar tudo isso por meio de um mural físico de recados. Parece coisa de escola, mas acredite é bastante eficaz! Se for mais interessante, é possível investir em um mural virtual, uma espécie de plataforma para que seus colaboradores fiquem conectados com as notícias da empresa.

3. Esteja aberto a feedbacks

Não é só de dar feedbacks que um bom gestor vive. Receber outras percepções e avaliações sobre seu trabalho é perfeitamente normal e saudável. Isso ajuda a melhorar seu desempenho como líder e garantir seu desenvolvimento como profissional e ser humano.

Porém, lembre-se de não intimidar os funcionários. Deixe-os à vontade para dizer o que pensam, apontando críticas construtivas, sugestões e preocupações. Tenha em mente que a comunicação de duas vias é fundamental para se tornar um líder de sucesso, afinal, sempre temos o que aprender com outras pessoas.

Estar receptivo a novas ideias é crucial para o crescimento da organização e para a valorização do trabalhador. A falta de feedbacks em ambos os lados pode desencadear desdobramentos negativos, que podem gerar desmotivação e impactos operacionais ou financeiros. Portanto, saber ouvir também é essencial!

4. Valorize seus colaboradores

Tratar seus funcionários bem não é o bastante. Bom dia, boa tarde e boa noite é o básico para o dia a dia, mas também não precisa de grandes feitos. Ações simples, porém, significativas podem trazer mais satisfação para sua equipe e contribuir para a melhora dos resultados.

O gestor pode fazer reuniões com seus funcionários e entregar-lhes questionários para compreender suas propostas. Mostre para eles que observações importam e são sempre bem-vindas!

A valorização do colaborador deve ser algo intrínseco à cultura organizacional. Em outras palavras, a felicidade, as boas condições de trabalho e o bem-estar da equipe deve fazer parte dos valores da empresa.

Investir em parcerias com comércios, academias e clubes pode ser benéfico para os dois lados. Uma vez que a corporação investe na qualidade de vida do funcionário, ela também possibilita que uma produção diária com mais ânimo, além das saúdes física e mental.

Outra sugestão é melhorar o sistema de metas e premiações. Torne esse canal desafiante, além de produtivo e atrativo. Muitos funcionários ficam irritados e desestimulados por trabalharem em empresas que estipulam metas inalcançáveis e com péssimas possibilidades de ganhos.

5. Utilize a tecnologia a seu favor

Nada é mais acessível e efetivo do que o uso da tecnologia para um diálogo bilateral. Afinal, é por meio dela que pessoas do mundo todo se conectam. Por que não adotar novas técnicas na comunicação interna da sua empresa?

Canais como Skype for Business, mensagens instantâneas, chats, redes sociais e newsletter são exemplos simples de ferramentas que podem facilitar a comunicação.

Outra dica útil é a TV corporativa. Nela, você consegue veicular conteúdos criados para seu público interno e os benefícios são notáveis: melhora no engajamento e na motivação do pessoal, economia em treinamentos corporativos e colaboradores mais preparados e inteirados dos acontecimentos.

Muitas organizações falham ao focar em se relacionarem apenas com seus consumidores, pois acabam esquecendo que os funcionários também são peças essenciais para o sucesso do empreendimento. Aliás, eles trabalham para isso.

Sendo assim, a comunicação interna nas empresas é algo muito importante e merece uma atenção especial. Antes de fidelizar seu cliente, é preciso conquistar o coração do seu público interno. Um colaborador bem preparado, valorizado e motivado é um instrumento vantajoso para qualquer negócio.

Gostou das dicas? Quer ser avisado de mais artigos como este? Assine a newsletter e não perca nada!

Digital signage ROI: como calcular o retorno sobre investimento?

Uma das maiores preocupações do grandes empresários de qualquer setor é saber se os valores investidos em publicidade estão de fato gerando algum retorno financeiro. Para satisfazer essa preocupação o digital signage ROI é a ferramenta mais utilizada pelos especialistas em marketing, que usam a sinalização digital em sua estratégia de divulgação.

Apesar de importante, essa métrica nem sempre é simples de ser calculada, principalmente por profissionais que não são da área financeira ou contábil. Para ajudar você a calcular corretamente o digital signage ROI, preparamos este post com tudo o que você precisa saber.

O que é o digital signage ROI?

Antes de falar especificamente sobre digital signage ROI, vamos esclarecer o conceito geral de ROI. A sigla ROI, Return On Investment ou Retorno Sobre Investimento em português, é o cálculo de quanto de retorno — financeiro ou não — foi obtido a partir do investimento.

O grande ponto de atenção com relação ao digital signage é que nem sempre é possível mensurar retornos financeiros, que são, em geral, mais fáceis de serem calculados.

Por esse motivo, algumas empresas usam também o ROO — Return On Objectives, ou Retorno Sobre Objetivos — para obter mais dados e conseguir perceber melhor a efetividade do investimento.

Por que calcular o ROI para Digital Signage?

O motivo para calcular o ROI é simples: para saber se o investimento em digital signage realmente está valendo a pena. Simples.

Se um empresário investe em uma estratégia de marketing e não consegue ver a efetividade dessa estratégia em lhe trazer mais clientes e vendas, a sensação que ele tem é de que seu dinheiro está sendo jogado no lixo. Isso faz com que a verba para o setor de marketing e publicidade tenda a diminuir.

Ao mostrar a diferença positiva que o digital signage está fazendo para a empresa, o setor de marketing e publicidade está mostrando o valor de seus esforços.

Como calcular o digital signage ROI?

A fórmula do ROI é bastante simples: lucros menos investimentos. Nada de mirabolante. O que complica essa conta é a definição dos ganhos e custos e, principalmente, a forma como essas métricas serão definidas.

Para que o ROI mostre dados mais próximos da situação real, é importante entender muito bem qual o objetivo do digital signage e o que faz parte de cada componente da fórmula. Vamos explicar melhor sobre cada um a seguir.

Entendendo os objetivos

Antes de implementar um digital signage é imprescindível ter bem claro o seu objetivo . Fazer o planejamento correto antes da implantação pode evitar muitos problemas e maximizar os resultados. Mais à frente vamos detalhar melhor sobre a importância do planejamento.

A definição dos objetivos determinará quais serão as métricas utilizadas para medir a eficiência das sinalizações digitais. Por exemplo, se o objetivo de um painel colocado na recepção de um consultório é divulgar as promoções para os pacientes, uma métrica poderia ser quantidade de promoções vendidas.

Medir dados fora do objetivo é pura perda de tempo e esforços. Seguindo o mesmo exemplo, se for usado o aumento na quantidade de clientes como métrica, ela não refletirá a eficiência do painel, visto que ele não exerce influência direta sobre a quantidade de clientes da clínica.

Entendendo os custos

Este é um ponto bastante delicado, pois é comum cometer erros. O principal deles é negligenciar custos secundários que influenciam na implantação de digital signage.

Alguns custos são fáceis de identificar e mensurar, como os equipamentos, a instalação e aluguel de espaço.

Mas outros acabam ficando de fora da conta, aumentando a imprecisão do ROI e por vezes até distorcendo bastante o seu resultado. Os principais custos que acabam sendo esquecidos são energia elétrica, manutenções periódicas e substituição de peças.

Então, é importante que todos os custos envolvidos ao longo da vida útil dos equipamentos sejam considerados, para que o ROI seja calculado de forma correta e realista.

Entendendo os retornos

Esta é a parte mais difícil do cálculo do ROI, pois muitos benefícios do digital signage são intangíveis. Por isso, a definição clara dos objetivos ajuda nesse cálculo.

Os resultados a serem medidos devem ser aqueles que foram esperados no planejamento do digital signage. Fazendo um paralelo simples, não dá para plantar uma semente de abóbora e esperar que nasça um pé de manga.

Parece drástico, mas é o que mais acontece nas empresas e isso acaba frustrando as pessoas envolvidas.

Outro ponto fundamental é que o retorno nem sempre será financeiro. Existem diversos tipos de digital signage que são usados com finalidade informativa e que geram resultados fantásticos, porém intangíveis. Por exemplo, painéis com mensagens motivacionais nos corredores de uma empresa podem melhorar o humor dos empregados e aumentar sua produtividade. Esse dado é difícil de mensurar e não é diretamente financeiro.

Qual a importância do planejamento do digital signage para apuração correta do ROI?

Até aqui já citamos o planejamento algumas vezes. Ele é a pedra fundamental da implantação de digital signage.

Um bom planejamento começa pela definição dos objetivos e metas. Não importa qual será o objetivo, mas sim que ele seja claro, realista e mensurável. Pode até não ser facilmente mensurável, mas é preciso ter uma forma de verificar a efetividade das ações implementadas.

A partir dos objetivos, defina metas. É preciso determinar os prazos para as medições e os resultados que se espera alcançar nesses períodos. É nessa etapa que são definidos os KPI’s que serão usados no cálculo do ROI.

Escolha bem a estratégia de implantação dos equipamentos. A escolha do local, do tipo de equipamento e o material a ser veiculado são essenciais para o cumprimento das metas. Se possível, faça alguns testes antes de entrar com o investimento pesado.

Por fim, faça o acompanhamento frequente dos equipamentos e das peças veiculadas. Mantenha as medições sempre atualizadas e faça relatórios periódicos para controle.

Seguindo corretamente o planejamento o risco de insucesso é muito pequeno. Além disso, o planejamento provê todas as informações necessárias para o cálculo do ROI. O que evita os problemas em encontrar os resultados para fazer as demonstrações para a diretoria.

O digital signage ROI não é um bicho de 7 cabeças, se você já usa alguma dessas práticas ou tem dúvidas em algum desses pontos, deixe seu comentário abaixo que teremos o prazer em responder.

Como criar e ampliar sua rede de digital signage?

Você já pensou em criar uma rede de Digital Signage (ou ampliar a sua)? Para começar, vamos entender melhor  esse conceito. Digital Signage é o nome que se dá a diversos displays digitais organizados em rede e programados de forma centralizada para exibir entretenimento, propagandas, merchandising e outras informações segmentadas.

Dessa forma, qualquer item, seja ele de vídeo ou imagem, que for programado para ser exibido em diversos painéis pode se definido como digital sign. Entretanto, para que realmente a ação traga resultados, é necessário observar algumas questões.

Além da facilidade em modificar o anúncio e sincronizá-lo com os pontos de exibição, o digital signage ainda traz a vantagem de influenciar ativamente o consumidor, principalmente quando instalado próximo aos pontos de venda.

Isso acontece porque trata-se de uma ferramenta que pode informar, entreter, e ao mesmo tempo, oferecer produtos. Como a atenção das pessoas tende a estar voltada para os painéis, é muito provável que fiquem atentos aos anúncios.

Se você entende a importância de criar uma dessas redes ou simplesmente não sabe como expandir a sua, preparamos abaixo um passo a passo que poderá ajudá-lo:

1. Planejamento antes de tudo

O primeiro passo antes de qualquer investimento é planejar. Você precisa definir o quanto quer ampliar a sua rede ou as dimensões que terão a que deseja criar.

A aquisição do hardware é outro fator importante: você vai alugar, comprar usado ou adquirir painéis novos? Lembre-se de que isso tem um custo e você precisa estar preparado para arcar com ele no primeiro momento.

O tipo de conteúdo que será exibido também é importante e nessa fase você já pode começar a pensar nele. Essa ideia, entretanto, poderá ser amadurecida mais adiante.

2. Alinhamento de objetivos

O que você pretende com as suas campanhas? Existem empresas ou acionistas com os quais é possível firmar parcerias? Caso as ações sejam realizadas em conjunto, os objetivos precisam estar bem claros desde o começo.

Se a rede de digital signage já existe, por que você quer expandi-la? Quais os resultados esperados com esse investimento? Responder a essas perguntas o ajudará a traçar objetivos que serão o combustível para colocar as ações planejadas em prática.

3. Identificação do nicho de atuação

Quem é o seu público-alvo? A que pessoas o seu produto é destinado? Essas informações terão influência direta no formato e horário de exibição das suas propagandas.

O perfil do público diz muito a respeito do tipo de conteúdo que ele consome e inserir, no meio de um noticiário, uma propaganda que nada tem a ver com as pessoas que tem interesse nesse tipo de notícia é perda de tempo.

A identificação do nicho de atuação ajudará a elaborar toda a programação do que será exibido nas telas. Isso pode ser conseguido a partir de pesquisas de mercado: ouça atentamente o que o seu público-alvo tem a dizer, o que ele acha dos produtos disponíveis no mercado relacionados ao seu segmento e o que ele realmente espera.

Dessa forma, fica fácil começar a pensar em itens como formatos de mídia a serem utilizados e disposição das telas.

4. Localização

Por falar nisso, a localização é outro item de extrema importância. Já que o seu objetivo é atrair a atenção do público, a localização das telas deve contribuir para isso. Para começar, elas jamais podem ficar “escondidas”. Onde quer que seja, devem estar em evidência.

Elas devem ficar em locais onde há fluxo de pessoas e, mais que isso, pontos onde elas costumam parar para alguma coisa.

Além disso, é necessário pensar em receptividade. Momentos de lazer são horas nas quais a pessoa está propensa a receber conteúdos emitidos por painéis. Se eles estiverem em locais por onde passam muitas pessoas, todas na correria do seu horário de almoço, por exemplo, as chances de sucesso são pequenas.

Isso porque uma pessoa que está com a cabeça voltada ao horário ou outros itens não parará para prestar atenção em nada que estiver pelo caminho. Além disso, a proximidade dos pontos de venda também é importante.

Uma pessoa que sente vontade de adquirir um item, mas precisar cruzar a cidade para conseguí-lo, provavelmente perderá a vontade. Se o produto estiver por perto, pode ser que ela vá até ele quase que de imediato.

5. Entendimento do sistema como um todo

Por fim, surge um item muito importante: você precisa entender o sistema. Investir em algo que você não sabe muito bem como funciona tem tudo para ser perda de tempo e dinheiro. Portanto, leia e pesquise sobre o assunto.

Você já ouviu falar em plataformas que auxiliam na produção de conteúdo? Trata-se de uma inovação no mercado da propaganda, a partir de empresas que mesclam elementos da TV com mídias sociais. Tudo isso acontece como uma forma de atrair a atenção do público para a propaganda exibida.

A HashtagTV, por exemplo, oferece soluções capazes de criar conteúdos que sejam ao mesmo tempo relevantes e atraentes. Por mais que você entenda o sistema, deixar a criação do conteúdo com profissionais no assunto torna as suas ações muito mais funcionais e eficientes.

Entretanto, se você acredita que a contratação de uma empresa como essa tornará o seu conteúdo impessoal e “igual para toda empresa”, você precisa entender o sistema de trabalho dessas instituições.

Os conteúdos só passam a ser produzidos a partir de uma análise da empresa, seus anseios e público-alvo. Ele é desenvolvido de forma personalizada, de acordo com os interesses da empresa. Após passar por todos os passos necessários para a implantação da rede, vale a pena contar com esse tipo de serviço.

E você? Já tem uma rede de digital signage? Entende que precisa ampliá-la para que os negócios da sua instituição também se desenvolvam? Empresas especializadas em conteúdos para esse tipo de mídia podem tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto e ajudá-lo a garantir o sucesso das suas campanhas.

Se você gostou do post, entre em contato conosco e conheça a nossa plataforma de soluções para que os seus painéis conquistem a audiência do público.

Digital Signage: tudo o que você precisa saber sobre o assunto!

Uma das estratégias mais eficazes para atrair a atenção da sua audiência e se comunicar com seu público no ponto de venda, o Digital Signage — ou sinalização digital — está mais presente no seu cotidiano do que você pode imaginar. Ele vai do monitor que chama as senhas em consultórios médicos ao gigantesco letreiro digital em um prédio, destacando marcas.

Vamos te mostrar neste texto como essa solução se adapta em diversos segmentos de mercado. Normalmente usado para se comunicar, entreter e divulgar a marca, você também pode criar planejamentos para melhorar o relacionamento entre os colaboradores da sua empresa.

Confira agora o funcionamento do Digital Signage, quais as vantagens e como funciona essa ferramenta!

Afinal, o que é Digital Signage?

A sinalização digital é um tipo de MOOH (mídia out of home). Ela é uma forma de publicidade com grande alcance, baixo investimento e possibilidade de segmentação. Consiste em todo painel eletrônico instalado em espaços de circulação, sejam públicos e ao ar livre, ou internos, como em shoppings, consultórios e empresas.

Essas telas têm a programação organizada por uma empresa, com a finalidade de exibir conteúdo e informações relevantes para a sua audiência. Hoje o gerenciamento do Digital Signage é feito remotamente por computadores e até mesmo pelo celular. É possível alterar informações em tempo real e automatizá-las para que a mudança aconteça de acordo com horários ou dias da semana.

Outro uso comum da sinalização digital, que já falamos aqui, é a TV corporativa — uma forma de uso indoor para estimular os funcionários, treiná-los ou capacitá-los. Ainda é possível criar uma programação segmentada para cada setor, fortalecendo a cultura da sua empresa e alinhando os objetivos.

Como funciona essa ferramenta?

Em um primeiro momento, você precisará estudar qual o objetivo deseja alcançar e entender quais os melhores pontos para atingi-lo. Depois é preciso escolher um software adequado para as necessidades da sua empresa. Existem alguns softwares grátis, mas não recomendamos. Antes de veicular suas campanhas de DOOH (digital out of home), entenda como operar, tire suas dúvidas e faça testes.

Pronto, é simples assim! Agora para usar o Digital Signage é só planejar cada campanha e alcançar resultados de sucesso. A performance pode ser mensurada por gráficos e relatórios de fácil leitura. Para otimizar a produtividade e criar estratégias dinâmicas, em vez de atualizar manualmente sua programação com pendrives ou cds, você pode automatizar a entrega do seu conteúdo.

Quais são os principais benefícios do Digital Signage?

Produzir uma comunicação de acordo com o seu público e entregá-la nos principais pontos onde ele se encontra. Além disso, ajudá-lo no processo de compra, no momento da decisão, com informações relevantes que contribuem para o fechamento das vendas. A sinalização digital traz muitas vantagens para o seu empreendimento. Confira a seguir algumas delas:

Atrai a atenção do cliente

Quem não deseja aumentar a visibilidade da marca atraindo o público? Em estabelecimentos com filas longas, como bancos, a sinalização digital pode ajudar na organização do atendimento, mas também entreter, encantar e reduzir a percepção do tempo de espera. Pense em conteúdos que sejam relevantes para o seu público e desperte o interesse para o seu mix de produtos e serviços.

Mais efetivo do que propagandas na TV, outdoors ou a própria internet, 63% das pessoas relatam que o Digital Signage atrai sua atenção mais do que essas outras mídias. Independentemente da estratégia de marketing que você deseja usar, essa ferramenta fará o papel fundamental, que é o de atrair seus prospects.

Melhora o reconhecimento da marca

Quanto mais tempo uma pessoa usa vendo um anúncio seu, maior será a probabilidade dela lembrar da sua empresa depois. O Brand Awareness, ou a consciência de marca, indica o quanto a sua marca é positivamente lembrada, destacando-se da concorrência. Se o seu negócio usa a sinalização digital, ele é mais bem lembrado. Isso significa que ele tem um maior alcance.

Marcas com um alto Brand Awareness têm, como efeito colateral, um aumento das vendas. No Reino Unido, 84% dos varejistas veem o Digital Signage como fator para o desenvolvimento de uma consciência positiva da marca. Por meio de mensagens que reforçam uma boa experiência, eles acreditam que essa ferramenta pode otimizar a comunicação da empresa.

Promove conteúdo dinâmico

Com a presença digital cada vez mais constante, estratégias físicas têm baixo resultado quando usam ferramentas estáticas como a mídia impressa. O DOOH pode ser instalado onde o cliente potencial está, oferecendo melhores resultados. Ele cria movimento, com a possibilidade de exibição de vídeos e animações, se assemelhando à interação do usuário em plataformas online.

O conteúdo pode se adaptar a situações específicas e as informações podem ser atualizadas em tempo real, como a cotação de moedas. Além disso, em caso de imprevistos, é possível modificar as informações com agilidade. Bares e restaurantes que usam o Digital Signage podem otimizar as suas estratégias de vendas com vídeos atraentes dos pratos oferecidos, além da mudança do cardápio de acordo com os horários.

Melhora a fidelização dos clientes

Ao fidelizar os seus consumidores, você aumenta o ticket médio ou o Lifetime Value  — valor do tempo de vida do cliente, indica o quanto um cliente consome na empresa em sua linha do tempo. Além disso, cria promotores e evangelistas da sua marca. Não é à toa que todo negócio com estratégias para um bom crescimento trabalha o relacionamento com o público.

A sinalização digital consegue encantar os compradores da sua empresa a um baixo custo, com a integração das redes sociais na sua ferramenta, promovendo hashtags para campanhas da marca e depoimentos em redes sociais. Isso ainda ativa diversos gatilhos mentais, como o da prova social e da comunidade.

Entretém o público em espera

Um atendimento mais humanizado conquista seu cliente ideal e melhora a experiência com a marca, facilitando o processo de vendas. Quando existem filas, é comum surgir uma impaciência das pessoas que aguardam, além da tensão em relação à ordem de atendimento. Usar a sinalização digital ajuda a gerenciar esse serviço.

Além disso, o Digital Signage reduz os tempos de espera percebidos no check-out em até 35%, enquanto entretém e entrega informações de qualidade e segmentadas para as pessoas que aguardam. Garanta a fila prioritária e promova uma espera de maneira confortável, sem a necessidade de todos ficarem de pé até serem chamados.

Apoia o processo de decisão de compra no ponto de venda

O ponto de venda (PDV) é o ambiente em que a empresa deve ter uma excelente comunicação com seu público. Este é o momento em que você precisa mostrar ao seu cliente que seus produtos são o que ele procura e precisa. O Digital Signage ajudará você nesse processo do ciclo de compras, aumentando as vendas.

Uma em cada cinco pessoas diz se sentir impactada por TVs no PDV. Além disso, mais de 60% das decisões de compra são feitas no ponto de venda. A sinalização digital pode apresentar seus produtos, divulgar promoções e vencer objeções dos consumidores. Em colaboração com o time de vendas, use essa ferramenta para ajudar a bater as metas da empresa.

Fortalece a cultura da empresa com os colaboradores

Montar uma equipe de talentos, que veste a camisa da empresa e colabora para o crescimento do seu negócio pode parecer uma tarefa difícil. Muitas vezes você já tem essas pessoas trabalhando para você, mas elas não se sentem motivadas ou até mesmo não sabem como atuar em direção aos objetivos.

A cultura organizacional é um conjunto de valores, conceitos e técnicas que conferem personalidade ao seu negócio. Com a sinalização digital você pode promover capacitações e treinamentos em pílulas e outros conteúdos dinâmicos e atrativos. Use a DOOH para engajar os colaboradores, fazendo-os se sentirem mais próximos, ou melhor, parte da empresa.

Oferece informações relevantes para a equipe de funcionários

Alinhar os membros da empresa e mostrá-los o quanto eles são essenciais para o bom funcionamento e o sucesso é fundamental. Com a sinalização digital você ainda consegue manter todos atualizados e bem informados. É possível criar um quadro de avisos digital que ainda gera tráfego para a intranet da empresa e divulgar eventos e reuniões.

Informe notícias de última hora, destaque os bons desempenhos e compartilhe histórias de sucesso. Depoimentos de outros funcionários mostram o reconhecimento da sua empresa e podem ajudar outras pessoas ou setores a solucionar problemas. O Digital Signage é o espaço adequado para promover interação e manter seu time informado e atualizado.

Garante uma mídia mais ecológica, econômica e com melhor retorno sobre o investimento

Evite o desperdício de dinheiro e papel com a impressão de informes que podem ser veiculados no Digital Signage. É uma mídia limpa, na qual você consegue controlar a programação e até mesmo segmentar o quê e para quem deseja transmitir sua mensagem. Outra vantagem, comparando com a mídia impressa, é a capacidade de alterar as informações quando necessário.

O retorno sobre investimento (ROI), é uma excelente métrica para descobrir se o valor aplicado está contribuindo para o crescimento da empresa. Para saber o quanto seu ROI está aumentando com a ferramenta, primeiro é preciso definir qual é o objetivo das suas estratégias de sinalização digital, o período e depois comparar o ROI da mesma época no ano anterior.

Como aplicar as estratégias de Digital Signage?

Assim como outras técnicas de marketing, a sinalização digital, quando usada sem um planejamento adequado, funciona semelhante a uma loteria. Um fator decisivo para o sucesso da sua campanha é entender como funciona, estabelecer o período de atuação e documentar o plano, bem como seus fracassos e sucessos. Confira abaixo alguns passos para criar suas campanhas:

Defina o propósito dos conteúdos antes da produção final

Mesmo que a programação de conteúdos e promoções da sinalização digital possa ser alterada em tempo real, o objetivo que você deseja alcançar precisa ser estabelecido com antecedência. Assim, você saberá se suas ações estão tendo efeito e ainda terá mais segurança para mudar alguma veiculação se perceber que não está atendendo ao propósito estabelecido.

Se o objetivo é aumentar as vendas, por exemplo, estimular vendas cruzadas nos pontos de venda talvez seja uma ação eficiente. Agora, se você pretende aumentar a visibilidade da marca, a divulgação de ações que traduzem a missão, visão e valores terá um efeito mais positivo. Lembre-se que a sua campanha precisa ter um sentido de existir e uma meta para alcançar.

Segmente as mensagens de acordo com a persona

Semelhante ao público-alvo, a persona é uma forma de descobrir para quem você direcionará as suas comunicações. Ela revela informações como dados demográficos e também detalhes como maiores sonhos e problemas, além dos motivos que poderiam impedir a venda. Entenda quem é a sua audiência e personalize sua programação de acordo com ela.

Se necessário, crie campanhas diferentes para cada uma de suas personas. Tome cuidado para não ser abrangente nem querer alcançar todos os seus públicos de uma só vez. O tipo de conteúdo, a linguagem usada e até mesmo os outros canais de comunicação para os quais você poderá direcionar as suas campanhas devem ser coerentes com o seu target.

Produza vídeos curtos

Depois que você define o propósito da sua campanha e desenvolve o conteúdo de acordo com a sua persona, é a hora de selecionar e produzir os vídeos. Primeiro você precisa definir onde serão instaladas as telas, para entender sobre a duração. São instalações no elevador ou na fila de um banco?

Enquanto você deve se preocupar no primeiro caso para não ultrapassar os 30 segundos para cada vídeo, no segundo, a playlist deve ser maior que o tempo médio de espera para evitar repetições. Mesmo assim, mantenha produções de curta duração. Outro ponto importante no caso de vídeos de terceiros é checar se sua exibição não fere os direitos autorais.

Invista em conteúdo relevante e de qualidade

Ao montar a grade de conteúdos que serão exibidos para a sua audiência, podem surgir muitas dúvidas. Você tem diversas possibilidades e não existe a resposta certa ou errada, porém o mais adequado é que as informações sejam de extremo interesse da audiência. Para desenvolver conteúdos você mesmo, uma ferramenta interessante é o Google Apresentações.

Em caso de informações dinâmicas, uma tabela de jogos do Brasileirão, por exemplo, pode ser negativa para exibir em um salão feminino. Caso você tenha um blog, monte sua programação se inspirando nos assuntos mais visitados. Outro jeito de orientar sua pauta é fazendo uma pesquisa. Envie um e-mail ou pergunte nas suas lojas os assuntos de interesse dos seus clientes.

Promova a interação com os usuários

Com a tecnologia touch screen usada em algumas sinalizações digitais, é possível criar campanhas como a do Colégio Ph, no Rio de Janeiro. Um jogo foi instalado no painel do abrigo de ônibus próximo ao curso pré-vestibular, onde estudantes podiam interagir com a marca. Mesmo sem esse recurso, o Digital Signage pode ser uma estratégia para você criar interação com a marca.

Use sempre CTAs (chamadas para a ação, em português), para estimular seu público a fazer algo após ser impactado pelos seus anúncios. Pode ser visitar a página no Facebook ou conseguir um desconto ao se cadastrar no programa de fidelidade da loja. Em caso de direcionar seu público para a internet, aposte em hashtags para garantir a continuidade da comunicação.

Invista em automação

Escolher o software adequado para trabalhar com suas telas de sinalização digital poupa o trabalho de carregar uma programação diária com mídias físicas, como cds e pendrives, para exibir seu conteúdo. Além de possibilitar o monitoramento das campanhas e ainda garantir a atualização de informações, também é possível conferir em tempo real se existe algum problema com a exibição.

Quais são os maiores erros na hora de usar a sinalização digital?

Como nós já mostramos neste post, DOOH é uma ferramenta muito interessante, independentemente do tipo de estabelecimento físico que você tem. Agora confira abaixo alguns dos erros mais comuns quando as empresas montam sua programação para Digital Signage:

Informações erradas ou desatualizadas

Pode acontecer que após a produção do conteúdo algum dado informado não está mais correto ou algum conteúdo fique desatualizado. Ao contrário das mídias impressas, nesse caso é possível realizar a atualização em tempo real. Preste atenção para estar sempre atualizado, assim sua marca fortalecerá a imagem e a credibilidade.

Usar soluções para manter informações dinâmicas como a incorporação de redes sociais ou de feed de notícias é uma forma de tornar o conteúdo renovado e útil para o público. Evite portais de notícias com visões muito parciais ou abordagens sensacionalistas. Informações negativas costumam impactar de maneira ruim a experiência do seu cliente.

Falta de recursos de movimento

Um dos maiores diferenciais da sinalização digital, o recurso de movimentos como a exibição de vídeos é um dos fatores que atrai a atenção da audiência. A exibição de conteúdos estáticos é um erro que pode desperdiçar o alcance de grandes campanhas. O segredo é: quanto mais movimentado o ambiente onde as telas estiverem instaladas, maior deve ser o movimento dos vídeos.

Fique atento para ambientes como consultórios médicos ou filas de banco, onde a tendência é que o tempo de espera seja um pouco maior. Nesse caso, vídeos muito agitados podem gerar uma certa inquietação no público.

Excesso de propaganda

Assim como no marketing de conteúdo, a sinalização digital é um veículo de relacionamento entre a marca e o consumidor. Pode ser tentador, mas evite falar o tempo todo somente sobre sua marca ou seus produtos. Ofereça informações que realmente solucionem algum problema. Uma rede de supermercados, por exemplo, pode incrementar sua programação com dicas de limpeza e receitas.

Invista em um layout mais clean e personalizado de acordo com o público. Observe se as informações estão visíveis e se o tempo em exibição é suficiente para que os espectadores possam ler. Procure equilibrar a quantidade de propagandas em relação ao conteúdo oferecido e intercale a programação. Lembre-se de que o consumidor hoje é cada vez mais exigente e se aborrece com publicidades agressivas e invasivas.

Ausência de um objetivo

A sinalização digital promove alta frequência e grande alcance, mas isso pode ter um caráter negativo caso você não defina a próxima ação do seu público. Estratégias para aumentar o reconhecimento de marca precisam transmitir conteúdos que agreguem valor e conectar o espectador com a marca. Neste caso, um bom estímulo seria incentivar os prospects a adotar os princípios divulgados.

Desenvolva chamadas criativas e que sejam compatíveis com o tipo de mídia. Para aumentar sua taxa de conversão, ofereça brindes ou incentivos para que a ação seja concluída. Outro ponto importante é manter CTAs únicos — o pedido deve ser simples. Por exemplo: não peça para o cliente conferir o artigo completo sobre o assunto e comprar um produto em uma mesma chamada.

Por que investir nessa ferramenta?

Se você deseja destacar a sua empresa da concorrência, usando uma estratégia de marketing com baixo custo, o Digital Signage se mostra como uma excelente opção. Mesmo sendo muito usada, a sinalização digital ainda é uma tecnologia inovadora, criando alto impacto no público e possibilitando soluções simples e criativas.

Adotar essa ferramenta é garantir uma mídia com um dos melhores ROIs, que pode ser usada para melhorar a performance da sua empresa no mercado. O DOOH também é um grande aliado no plano de comunicação interna da sua empresa. Automatize a exibição dos seus conteúdos, interaja com sua persona e aumente as vendas.

Como você conferiu neste artigo, Digital Signage é a estratégia adequada para alcançar os objetivos da sua campanha. Inovadora e com diversos recursos, essa ferramenta atrai a atenção do cliente, melhora o posicionamento da marca e aumenta a fidelização. Quando usada para a comunicação interna, a sinalização digital ajuda a fortalecer a cultura corporativa, levando informações importantes para seus colaboradores.

Criando uma campanha adequada para o seu público, com mensagens segmentadas, a sinalização digital consegue também otimizar as vendas. Agora que você já conferiu a versatilidade e eficiência dessa ferramenta, baixe nosso Guia completo sobre Digital Signage e impulsione os resultados da sua empresa já!

Conheça as principais ferramentas de comunicação interna

Trabalhar a comunicação da empresa com seus colaboradores de forma eficiente é, sem dúvidas, a melhor maneira de alcançar bons níveis de satisfação e engajamento desse público. Mas você conhece as principais ferramentas de comunicação interna e suas vantagens e desvantagens?

Na postagem de hoje, nós vamos apresentar algumas das ferramentas mais utilizadas, quais as vantagens de adotá-las e quais cuidados você deve ter com cada uma delas. Boa leitura!

Por que investir em ferramentas de comunicação interna?

Antes de mais nada, precisamos ter certeza de que você compreende a real importância da comunicação interna de uma empresa. Para isso, trazemos alguns fatos importantes. A comunicação interna é capaz de:

  • engajar os seus colaboradores;
  • melhorar o clima organizacional;
  • otimizar processos por evitar falhas de comunicação;
  • estabelecer um canal de comunicação para receber o feedback dos colaboradores.

Essas são apenas algumas das vantagens que a sua empresa pode obter ao desenvolver uma comunicação interna eficiente. Para tanto, é preciso escolher e utilizar de maneira correta as ferramentas que mais se adéquem às suas necessidades. Conheça algumas delas a seguir:

1. E-mail

Essa é a ferramenta mais utilizada pelas empresas para realizar o contato com seus colaboradores. O seu principal atrativo (e justificativa para o seu sucesso) é a sua grande versatilidade e facilidade de uso.

Por meio dele, é possível enviar diversos arquivos e disseminar uma informação de maneira muito rápida e que, com certeza, chegará ao destinatário. Além de possuir um sistema que permite a solicitação de uma confirmação de leitura.

Outro fator que favorece essa ferramenta é a possibilidade de ela ser acessada de qualquer lugar e por qualquer dispositivo, auxiliando as empresas no controle e no relacionamento de colaboradores externos.

Mas como nem tudo são flores, a grande desvantagem do e-mail é a facilidade com que informações podem ser perdidas, seja por uma falha no servidor de envio, ou por cair nas caixas de spam — que quase nunca são conferidas —, levando a perda de todas as informações.

2. Quadro de avisos

Essa é a ferramenta mais antiga que abordaremos nessa postagem. Você pode até se perguntar se ela, depois de tantos anos, ainda apresenta algum resultado, e a resposta é sim. Contudo, muito além de ficar pregando avisos, é preciso saber trabalhar o quadro de avisos de forma inovadora.

Com uma rápida pesquisa na internet, você consegue obter uma grande quantidade de ideias para otimizar o seu quadro de avisos e alcançar bons resultados. Tudo o que você precisa é um pouco de empenho e criatividade.

O grande defeito dessa ferramenta é que, com o tempo, ela acaba perdendo a sua notoriedade, mesmo sendo alocada nos lugares de maior circulação das empresas. Além disso, o seu uso em grandes companhias pode ser inviável devido ao grande número de quadros e o tempo necessário para atualizar a todos eles.

3. Newsletter

Também conhecido como jornal interno, é uma forma de comunicação organizacional muito utilizada, podendo ser impressa ou digital e tem o objetivo de trazer as principais informações sobre a empresa e outros assuntos relevantes aos colaboradores.

Como ela possui um formato único, após a primeira confecção, é fácil de se trocar as informações e montar a próxima edição, trazendo informações sobre cursos que a empresa oferece ou já realizou, dicas que auxiliam os colaboradores em seu cotidiano etc.

Quando trabalhada no formato digital, essa ferramenta não exige grandes investimentos, afinal, ela é entregue por e-mail. Já no formato impresso, as coisas podem se complicar, pois será necessário imprimir uma cópia para cada colaborador da empresa, elevando os custos de operação consideravelmente.

Outra desvantagem de um newsletter é a demora que ele possui para responder a uma pergunta ou feedback de um colaborador, que sairá somente na próxima edição, o que pode representar uma janela de tempo de até 6 meses.

4. Rede Social Corporativa

É fato que a maioria de seus colaboradores (para não dizer todos) possuem um perfil em alguma rede social externa, como o Facebook por exemplo. Ao observar a grande adesão de diversas pessoas a elas, criou-se a rede sócia corporativa (RSC).

A grande diferença entre uma RSC e qualquer outra rede social externa é a impossibilidade de pessoas que não trabalham na empresa se cadastrarem. Essa restrição oferece uma comunicação horizontal e integra os diversos setores da empresa.

Por se tratar de um sistema altamente tecnológico, a empresa precisa investir uma quantia considerável de recursos para implementá-la e, ainda, contar com uma equipe interna de TI para garantir seu funcionamento.

Outro ponto importante é monitorar a RSC constantemente, a fim de garantir que ela não seja utilizada de forma indevida por seus colaboradores e acabe causando mais problemas do que soluções.

5. TV interna

Apesar de ser relativamente nova nas empresas, a TV interna, ou TV corporativa, vem gerando bons resultados aos que optam por adotá-la como um meio de se comunicar com seus colaboradores.

Com ajuda dela, é possível trabalhar com praticamente qualquer tipo de conteúdo, sejam vídeos, imagens, animações ou apenas áudio. Toda essa versatilidade se torna muito mais atrativa ao público, que acaba por absorver as informações com mais facilidade.

Na TV, as informações afetam dois sentidos da audiência (visão e audição), ou seja, você possui o dobro de poder para reter a atenção do colaborador para uma determinada informação, garantindo sua compreensão e estimulando o engajamento.

Outra vantagem é a facilidade e a velocidade com que se pode publicar ou atualizar uma determinada informação, exigindo apenas alguns cliques.

Quando comparamos a implantação de uma TV corporativa com o desenvolvimento de uma RSC, fica evidente que seu investimento é menor, mas isso não significa que ele seja inexistente.

Para implementar essa ferramenta de comunicação interna em sua empresa, você precisa adquirir os aparelhos de TV, montar a devida estrutura para sua instalação, como:

  • cabos;
  • ponto de energia;
  • suportes;
  • proteções especiais (quando necessário) etc.

Além da parte física, é imprescindível que a empresa contrate um sistema que integre o funcionamento de todos os pontos em um único lugar, facilitando o controle da programação e a entrega das informações.

Se você deseja saber mais sobre o poder da TV corporativa como uma das melhores ferramentas de comunicação interna, entre em contato com a gente e tire suas dúvidas! Nossa equipe está pronta para atendê-lo.

Software grátis de mídia digital indoor: quais os riscos?

Muitas empresas têm encontrado na mídia digital indoor, uma interessante alternativa para divulgar sua marca, por meio de conteúdos exibidos nas telas eletrônicas dos mais variados locais. Normalmente são escolhidos lugares, eventos ou ocasiões que tenham relação com o público-alvo e com a identidade da marca da contratante, de forma a transmitir uma mensagem à pessoa certa e no momento certo. Muitas utilizam um software grátis de mídia digital indoor.

Um exemplo: a empresa pode optar por determina região da cidade, por shopping centers para público de classe C, ou até mesmo para jovens em uma feira ou show – a segmentação varia de acordo com o objetivo e posicionamento da marca.

Mas, nesse cenário, há outro fator que deve ser observado: os riscos de software grátis de mídia digital indoor. Isso mesmo, as empresas que buscam ferramentas gratuitas na hora de veicular suas mídias digitais indoor precisam estar atentas, pois às vezes o barato pode sair mais caro do que se imagina.

Para ajudar você a conhecer os riscos de software grátis de mídia digital indoor, elencamos os 5 principais contratempos dessa opção. Descubra-os agora!

1. Parece de graça, mas não é

Sempre existe aquela versão disfarçada de gratuita, mas que na verdade é o que costumamos chamar de “freemium” (“free” + “premium”). Nessa situação, você até consegue uma versão “sem investir financeiramente”, mas a mídia usada também terá utilidade para o fornecedor.

É possível que o conteúdo de sua marca apareça junto a propagandas de terceiros. Ou seja, sua empresa está pagando sim a publicidade de terceiros, pois são exibidos anúncios de outras marcas no meio de sua programação. O resultado disso é a diminuição do foco em seu conteúdo e da eficiência dos resultados daquela comunicação para seu negócio.

Existem ainda as versões trial, que são gratuitas no primeiro mês ou na primeira semana, mas depois desse período é preciso pagar. Se o software for 100% gratuito, estude o quanto suas estratégias precisam de uma boa operação do produto, pois não há garantia que seu funcionamento seja eficiente.

2. Falta de suporte ao cliente ou backup de informações

Quando você tem algum problema com software gratuito você recorre a quem? Ninguém, não é mesmo? Isso acontece porque esse tipo de serviço está incluso nas ferramentas pagas, mas não há essa opção para sistemas grátis.

Esse problema é um dos principais riscos ao utilizar esse tipo de software. Afinal, ferramentas tecnológicas têm suas particularidades e imprevistos podem ocorrer. Eventualmente, você precisará sanar uma dúvida, solicitar melhorias, questionar alguma falha, resolver algum imprevisto.

Nessa hora, o suporte ao cliente é fundamental. Imagine que seu software gratuito, por algum bug de sistema, está reproduzindo todo o conteúdo de sua mensagem na cor rosa. Quem resolverá esse problema? Em quanto tempo?

Mais uma vez, o responsável pela ação perderá tempo tentando e achar uma solução e pode ser que não encontre. A consequência é que você terá perdido o dinheiro investido nessa divulgação.

Outro ponto é o backup de informações. Ao desenvolver um projeto com um programa pago, o conteúdo é salvo e armazenado para sua veiculação. Mas, no caso de ferramentas gratuitas, não há certeza de que uma falha técnica não acabe com todo o projeto desenvolvido.

3. Sem garantia de funcionamento – “Cada um por si”

Quando você paga por um software você recebe em troca a garantia do fornecedor que aquele sistema irá funcionar. Todo o suporte técnico necessário é acionado para que tudo flua de acordo com o combinado. Qualquer problema é resolvido pela empresa contratada.

Porém, o mesmo não ocorre quando se utiliza um software grátis. Não há garantia nenhuma de que o sistema será executado de maneira correta e, caso não funcione você, não terá como reclamar, pois não está pagando por aquilo.

4. Vulnerabilidade de segurança

A segurança da informação é um tema importante e que precisa ser levado com seriedade. No mundo digital existe uma série de riscos relacionados à segurança. A utilização de softwares gratuitos não extingue as chances de vírus e invasões de suas informações.

Para uma empresa, esse tipo de assunto pode ser considerado ainda mais delicado do que para a pessoa física. Afinal, as informações empresariais são confidenciais e, se acessadas por programas mal-intencionados, podem resultar em grandes problemas.

Qualquer tipo de falsa economia que coloque sua empresa em risco, não vale a pena. As ferramentas pagas são mais confiáveis e seu fornecedor tem uma real responsabilidade com os dados de sua empresa e com a segurança de suas informações.

5. Falta de monitoramento e mensuração

No marketing, basicamente tudo que se pode mensurar é mensurado. Os resultados das estratégias precisam ser monitorados e medidos, a fim de ter a garantia de sua eficiência e ajustar a rota quando necessário.

Os produtos gratuitos não oferecem essa funcionalidade, não há uma gerência daquele conteúdo e muito menos um relatório contendo os principais pontos a serem avaliados. Como entender a eficiência de uma ação se não é possível fazer um acompanhamento e medir o que deu certo e o que não deu?

Com isso é possível perceber que os riscos de software grátis de mídia digital indoor são altos e sua utilização não compensa. Se uma empresa quer investir em ações de marketing e divulgar sua marca corretamente, é necessário buscar ferramentas que gerem um resultado eficiente. Do contrário, não seria nem preciso tomar tempo desenvolvendo e elaborando estratégias de comunicação.

Utilizar softwares gratuitos pode gerar problemas na hora da distribuição dos conteúdos, tais como: problemas e falhas técnicas, falta de dados para monitoramento, dificuldade de atendimento, isso sem falar dos possíveis anunciantes que estarão em seu material. Por isso, avalie bem antes de optar por esse tipo de ferramenta, existem outras opções com um bom custo benefício e que podem trazer mais resultados e sem dores de cabeça.

Como você percebeu, existem muitos riscos em utilizar um software grátis de mídia digital indoor. Porém, é possível encontrar soluções pagas de qualidade e que possuem um bom custo benefício, como o oferecido pela HashtagTV. Entre em contato e descubra as vantagens de ter acesso a um software confiável. 

Saiba tudo sobre mídia out of home!

Não se pode negar a popularidade que a mídia out of home (MOOH) tem ao redor do mundo. Desde o surgimento do outdoor, seu desenvolvimento permitiu que novos dispositivos fossem criados para oferecer incríveis formas de divulgação.

Assim, esse mercado de publicidade ao ar livre tem crescido cada vez mais, levando-se em conta ainda a adoção de peças de mobiliário urbano em cidades que tenham média a grande concentração populacional. É interessante ressaltar que os consumidores atuais passam muito mais tempo fora de casa e acabam travando o contato direto com a MOOH.

Portanto, deixe de lado qualquer análise ou pensamento de que esse tipo de mídia possa lhe parecer algo antiquado. Por causa da realidade mencionada, é o contrário que tem ocorrido: a MOOH está cada vez mais em alta.

Apesar de apresentar um conceito simples, algumas pessoas ainda demonstram dúvidas sobre mídia out of home e sua prática para atender certos tipos de negócio, como o varejo. O intuito deste artigo é esclarecer tudo o que você gostaria de saber sobre a MOOH e mostrar o quanto esse investimento pode ser incrível quando utilizado corretamente.

Mas afinal, que mídia é essa?

A mídia out of home é aquela que consegue atingir o público-alvo quando ele está fora de casa. Seja no caminho para o trabalho, em um passeio em família ou durante a prática de um exercício físico, a pessoa será precisamente impactada por uma mensagem divulgada, exibida, destacada em algum local específico de exposição.

Ela foi feita para pessoas que estão em constante movimento e não são próximas dos meios de comunicação tradicionais, como a televisão ou o jornal, por exemplo. Externar a divulgação, inclusive, permite investir em propostas muito mais inovadoras e criativas.

A mídia out of home permite que você:

  • esteja um passo a frente no mercado, pois fornece informações acessíveis;
  • monitore as ações e identifique os indicadores que possam definir suas metas;
  • faça um investimento certo em algo que realmente traz resultados;
  • se comunique com o consumidor, passando-lhe mais confiança.

A popularização da MOOH começou por volta da década de 1990, nas grandes metrópoles de países desenvolvidos, como os Estados Unidos e o Japão. Por exemplo, um dos lugares que tem mais reconhecimento mundial quando se trata de mídia out of home é a Times Square, em Nova York.

Jogue a localização em um site de busca e observe os detalhes nas imagens. Nenhuma divulgação é igual à outra. Algumas vão além das imagens e também utilizam sons e outros recursos para se destacar em meio a tantas informações. Hoje, a MOOH já tomou conta de todo o mundo.

Descubra quais são os tipos de mídia out of home

A mídia out of home se divide em duas grandes categorias: a place-based e a tradicional.

A MOOH place-based

O primeiro grupo engloba os variados locais em que pode ser colocada, como os aeroportos, instituições de ensino, indoor, vôos, lojas, shoppings e centros comerciais, estádios, os meios de transporte e ações em eventos.

A MOOH tradicional

O segundo grupo, por sua vez, concentra os meios usados para a aplicação dos formatos da mídia: aéreo, pontos de ônibus, a publicidade móvel, outdoor, amostras, orelhões, transporte público e também táxis e veículos de empresas como Uber. Para atender às necessidades do cliente, vale pensar em tudo o que pode ser usado ao ar livre.

Os três pontos da MOOH

Alguns profissionais, no entanto, preferem dividir as espécies de MOOH em três “pontos”. São eles:

  • ponto de espera: elevadores, consultórios, interior de meios de transporte, filas de supermercado, bancos ou quaisquer lugares que façam o consumidor esperar fazem parte deste grupo; essa é a hora em que a pessoa realmente tem tempo de absorver e assimilar informações;
  • ponto de venda: este ponto abrange o ato e a decisão de compra — o que determina as possibilidades de incentivar que o consumidor adquira um produto ao receber uma simples informação; as mídias podem estar presentes em telas de televisão e displays;
  • ponto de trânsito: ruas, estradas, centros comerciais, parques e locais em que as pessoas precisam caminhar ou passar frequentemente com veículos são considerados pontos de trânsito; aqui, a informação deve ser curta, pois o tempo de permanência do consumidor junto a ela não será muito grande.

Além desses aspetos mais básicos sobre a MOOH, com o atual desenvolvimento da internet e da comunicação rápida, é importante ficar atento às soluções de digital out of home.

Entenda o que é digital out of home

Estamos conectados o tempo todo, seja no celular ou em um computador. Tudo o que envolve ferramentas como essas passa uma imagem de acessibilidade e facilidade. Além disso, por ser algo com o qual estamos bem familiarizados, faz com que o entendimento sobre um anúncio seja muito mais evidente e simples.

Com o avanço da tecnologia, já temos uma importante variável da MOOH: a publicidade digital out of home utiliza monitores e telas de LED a fim de trabalhar a propaganda desejada.

A instalação é um pouco mais cara, mas a sua funcionalidade é bastante interativa e consegue atrair ainda mais a atenção das pessoas.

Quais são suas vantagens e benefícios?

Mesmo quando exige uma montagem diferenciada, as vantagens e benefícios da mídia out of home são muitos. E, dentre eles, os tópicos a seguir abrangem os principais.

Alta captação de público

Para uma grande multidão ou o interior de um estabelecimento, a MOOH consegue massificar as ações ao atingir muitas pessoas ao mesmo tempo. Bons exemplos disso são a mídia out of home para uma academia e a mídia out of home para os salões de beleza.

Inclusive, podemos ressaltar em tais casos o quanto essa mídia não é intrusiva. A mensagem está lá, sempre presente, mas não interrompe de forma ativa nenhuma das atividades que um transeunte ou consumidor esteja desempenhando.

Exibição duradoura

Se o planejamento de comunicação permitir, o uso da mídia out of home pode ser contínuo. Ou seja, enquanto você desejar que aquela campanha permaneça em exibição ou evidência, a sua comunicação continuará em pleno funcionamento.

Isso ajuda também a atingir variados nichos de público, visto que existe um fluxo diferente que frequenta o ambiente na parte da manhã, da tarde e da noite. Os resultados, então, são ainda melhores.

Custo acessível de investimento

Alguns clientes não possuem uma verba extensa para investir em uma campanha completa. Às vezes, até mesmo o que ele precisa pode ser feito com uma importância mais modesta. E é aí justamente que a MOOH pode ser fantástica.

A produção dessa mídia é, de modo geral, simples. Por isso, seus custos são muito acessíveis para qualquer tipo de negócio. Em comparação com as outras mídias, acaba sendo uma opção barata e que pode trazer o retorno esperado.

Versatilidade e pontualidade

A MOOH é uma mídia cujo impacto não é só elevado, mas também muito rápido. Com isso, a comunicação se torna pontual e pode se mostrar uma boa solução em diversas situações mais urgentes de comunicação, além de apresentar uma gama extensa de opções de aplicação.

Porém, atenção! Ainda assim, sua produção deverá ser feita com cuidado por profissionais de confiança e alta expertise. Em casos de estratégia mal formulada e que exijam grande refação, o procedimento pode ser muito mais trabalhoso, demorado e caro.

Controle de ações

Ao contrário de algumas mídias, a MOOH possibilita que o acompanhamento das ações seja mais preciso e detalhado. Com ela, é possível definir não só a localidade para a implantação, mas também os equipamentos, a ordem de atividades, o tempo de duração de cada uma e o resultado em curto prazo de cada ação.

Maleabilidade

Você pode fazer a sua marca ir muito longe. Outra grande vantagem da mídia out of home é a oportunidade que ela oferece de expandir ainda mais sua divulgação. O mesmo anúncio que foi colocado na sua cidade poderá ser multiplicado por diversas outras localidades de todo o Brasil, se esse for esse o seu objetivo.

Como funciona a mídia out of home para varejo?

Além de ser uma das mídias que mais cresce atualmente, já faz um bom tempo que os consumidores são bastante receptivos à sua utilização. A maioria deles acredita que o ambiente de uma loja fica mais agradável quando existem mensagens por todo o lado.

Até mesmo a espera na fila do caixa fica menos incômoda, à presença de uma ótima ideia de mídia out of home.

Os anunciadores também aprovam os ótimos resultados da mídia out of home para varejo. E confirmam que as vendas foram alavancadas, o que pode ser definido como um investimento em longo prazo. São dados assim que comprovam a eficiência da MOOH em todas as áreas. Até no varejo.

A comprovação pode ser associada à forma como a mídia out of home trabalha para otimizar ações dentro desse setor. Seguem algumas das características que mais influenciam de forma positiva nesse processo:

Interatividade

Assim como o mobile, a MOOH é fundamental para o varejo. Isso porque as duas soluções são capazes de aproximar os consumidores dos ambientes online e offline, a fim de promover uma conectividade associada. Quem tem o costume de comprar apenas online, sente interesse por realizar essa atividade também offline, e vice-versa.

Essa “parceria” é uma excelente forma de abusar da criatividade e buscar novas maneiras de envolver os clientes. Suas experiências ficam mais interessantes. Eles se sentem mais cativados pela empresa.

O marketing boca a boca também passa a ser um excelente efeito daquela característica.

Expansão da marca

Quando se trata de expansão, a primeira observação a ser feita é no que se refere ao alcance da marca. Devido à grande abrangência da MOOH, a imagem da empresa se fortalecerá ainda mais perante o público, principalmente se ações inteligentes forem colocadas em prática.

A partir disso, as vendas poderão ser analisadas com propriedade. E um aumento considerável terá grandes chances de ser identificado. Se o fluxo de visitas à loja se estende, isso refletirá no lucro.

Posicionamento à frente da concorrência

A aplicação da mídia out of home exige um estudo aprofundado da concorrência. Dessa forma, será possível identificar aqueles pontos de fraqueza que as estratégias de divulgação para seu negócio podem sanar.

Além disso, fazer um bom uso dessa mídia permite que a imagem da sua marca se fortaleça no mercado e que você passe a ser lembrado com mais frequência pelos consumidores.

Fácil assimilação

A todo momento somos atingidos por milhares de informações diferentes, provenientes dos mais diversos meios de comunicação. Até quando, ao fim do dia, nos sentamos para dar uma olhada nas redes sociais, recebemos diretamente uma carga intensa de propagandas.

E então, o que acaba acontecendo é que não damos a devida atenção às imagens relacionadas ao marketing ou divulgação. Quantos anúncios não passam despercebidos por nós durante um dia inteiro, mesmo que sejam sobre assuntos de nosso interesse?

Isso é algo que dificilmente acontece com a mídia out of home: ela sempre estará lá, no local exato de exibição. E quando você realmente está disposto a prestar atenção nela, vai perceber a mensagem que ela divulga.

Como aplicar e otimizar os resultados da MOOH?

A MOOH é tão diversa e dinâmica, que atende plenamente às necessidades de divulgação do varejo, mesmo que o investimento disponível não seja muito grande de início. Muitas vezes, quando tratamos desse assunto, nossa mente viaja por espaços abertos e imensos.

Mas ela pode se fazer presente onde você menos espera.

Aplicação da mídia

Já pensou no efeito causado quando um ponto de venda é atrativo e inovador? Isso pode ser feito utilizando as mídias out of home, principalmente as que são desenvolvidas digitalmente.

Monitores e totens com touchscreen são só algumas das táticas que podem ser implantadas dentro dessa realidade. A vitrine da loja é outro espaço que pode ser muito bem aproveitado, bem como a decoração. Ou seja, você não precisa ir tão longe para falar com seu público.

Para aplicá-la com sucesso, existem algumas dicas essenciais:

  • seja objetivo na sua mensagem;
  • trabalhe com fontes grandes e legíveis;
  • informe-se sobre a legislação do local, caso a instalação seja em locais públicos e abertos;
  • aposte no design, pois ele é o maior responsável pela atenção direcionada à MOOH;
  • mantenha-se informado sobre as últimas tendências desse mercado;
  • associe outras ações de marketing à sua mídia out of home.

Otimização de resultados

Não adianta criar uma mídia incrível se você não administrar bem seus resultados. Algumas atitudes simples podem ser tomadas para evitar qualquer transtorno.

Pensar em propaganda é esperar por vendas maiores. Por isso, entender o mercado em que sua empresa está inserida e o que está acontecendo nela é fundamental para que um bom planejamento seja feito. Não adianta ter boas ideias se não souber como colocá-las em prática.

Além de emplacar boas vendas, o que mais você precisa obter com a MOOH? Essa pergunta é essencial para que você descubra exatamente que mensagem passar para seus consumidores. Se seu discurso ou a ideia a exibir for variável, lembre-se de que a mídia out of home permite substituições rápidas periodicamente. Porém, mantenha uma linha de raciocínio, para que seu cliente não fique confuso com tantas mudanças.

A MOOH é uma mídia majoritariamente visual, portanto é preciso incluir imagens impactantes que correspondam ao conceito da marca. Não se concentre em uma produção monumental, e sim em bom gosto e bom senso.

Tendências da mídia out of home

É imprescindível entender o que está em alta no momento para desenvolver uma mídia out of home cativante e inteligente. Essas são algumas das últimas tendências que envolvem esse tipo de mídia e que devem ser consideradas na hora do planejamento:

  • grande número de peças utilizadas: aproveitar o espaço desde que com consciência tem tudo para dar certo;
  • integração entre mídias: softwares e sistemas que ofereçam interação com plataformas de uso comum, como o celular e as redes sociais, são excelentes meios para estimular a interação;
  • medição de audiência: aproveite a utilização dessas tão diversas ferramentas para conhecer seu público e saber o que ele realmente quer e procura;
  • experiências reais: quem vivencia a marca tem a oportunidade de entender realmente sua essência, e a MOOH tem como oferecer isso da melhor forma possível, com degustações, dinâmicas, interações ou envolvimento.

Métricas digitais para mensuração de dados

Se o acompanhamento de resultados é tão rápido, há motivos para isso. Hoje, a mensuração de dados da MOOH é feita por meio das métricas digitais. Com elas, é possível descobrir o número de pessoas que visualizaram a mídia, quanto tempo levou para fazer sua leitura, qual é o perfil desse público e quais foram os horários de pico.

Além disso, o engajamento também é avaliado para determinar o direcionamento de verbas. Sabendo disso, não é à toa que a mídia out of home é considerada a propaganda do futuro.

Associação Brasileira de Out of Home

Com todas essas informações, o crescimento do segmento já pode ser percebido de forma bastante palpável. E, identificando esse cenário, surgiu a Associação Brasileira de Mídia Out of Home (ABOOH), que fomenta a representatividade do setor.

Ela tem como objetivo incentivar o relacionamento entre associados e o mercado publicitário, divulgar informações relevantes sobre o meio e reafirmar sua grande influência na construção da imagem de uma empresa.

Caso você se interesse em se aprofundar ainda mais sobre esse assunto, basta acessar o site da entidade e acompanhar todas as últimas novidades sobre MOOH.

Quais são os cases de sucesso desse tipo de mídia?

Para não restar dúvidas sobre o retorno trazido pela mídia out of home, existem alguns cases de sucesso que podem servir de inspiração. Algumas campanhas são atemporais e realmente fizeram história quando foram lançadas. Com certeza você vai se lembrar de algumas:

A promoção de sorrisos pela LAY’S

A batata frita LAY’S desenvolveu um software muito especial e instalou displays em algumas ruas. Quando a pessoa se aproximava e sorria para o display, o programa identificava a expressão facial e deixava que uma amostra grátis do produto fosse recolhida. Este é um excelente exemplo de como a experiência pode cativar o consumidor.

KitKat e o outdoor pela metade

O KitKat exibe um slogan muito conhecido: “Have a break, have a KitKat”. Em português, “Dê um tempo. Coma um KitKat”. A empresa fabricante do chocolate decidiu então instalar outdoors pela cidade com essa mensagem deixada pela metade, para dar a ideia de que o responsável pela colocação da estrutura também tirou um tempinho para comer um KitKat.

McDonald’s e sua interferência criativa

A mídia out of home interfere diretamente na composição do espaço urbano. E, já que é assim, por que não investir no conceito de uma forma minimalista e com um toque artístico? Foi isso que o McDonald’s fez: instalou placas em lugares estratégicos com desenhos que representavam seus produtos mais famosos, sem utilizar sequer uma frase ou palavra.

Nissan e Amazon, em uma parceria incrível

Utilizar um caminhão de entregas foi a maneira inteligente que a Nissan e a Amazon encontraram para promover seus produtos e serviços. A Nissan realizou a entrega de um carro daquela marca de automóveis dentro de uma caixa gigante da Amazon, o que inevitavelmente chamou a atenção de todo mundo que viu a cena ao longo do trajeto.

O conceito simples e inteligente da Coca-Cola

Sem dúvidas, essa é uma das marcas que trazem algumas das propagandas mais marcantes de todos os tempos. E para divulgar as mini-latas de refrigerante, a ação não foi diferente. Foram instalados mini-quiosques da Coca-Cola nas ruas, para distribuir o produto de acordo com a sua principal característica.

Netflix e seus GIFs criativos

Nada melhor para divulgar o conceito da Netflix do que a boa utilização de imagens. E assim foi feito, quando totens no formato GIF foram espalhados pela cidade, mudando a posição da imagem de acordo com as características do local em que estavam instalados, tais como clima e temperatura.

Google e seu trajeto misterioso

Ao promover seu aplicativo de busca, o Google formulou algumas perguntas que levavam o usuário por um verdadeiro passeio. Assim, a pessoa pôde conhecer rotas e descobrir como era o funcionamento do sistema na prática, de uma forma divertida e curiosa.

A vitrine virtual da Adidas

A Adidas é outra marca que promoveu mais uma ação inovadora, desta vez na Alemanha. Em um ponto de venda, a vitrine tradicional foi substituída por um painel digital, em que os consumidores escolhiam os produtos preferidos e podiam efetuar a compra diretamente por meio de um URL enviado para seus smartphones.

Audiência alta, muitos caminhos de criação e impacto garantido. Assim podemos resumir o conceito que define a mídia out of home. Os cases aqui citados são bons exemplos disso. Mas não se intimide pelo tamanho das marcas envolvidas nos exemplos citados acima. Você pode ir tão longe quanto elas na aplicação de uma boa ideia de MOOH.

Gostou destas informações? Se você acha que a mídia out of home pode ser um investimento incrível também para o seu negócio, é hora de procurar ajuda de uma agência especializada e trabalhar em conjunto para realizar um bom planejamento.

E, para aprender ainda mais, baixe o e-book Guia completo para aumentar suas vendas com mídia OOH!

Veja 5 locais para aplicar midia digital indoor!

A escolha planejada dos locais para aplicar mídia digital indoor é um dos fatores fundamentais para obter sucesso na sua estratégia de comunicação organizacional.

Muitos empresários que consideram investir em sinalização digital negligenciam a escolha de um local que sirva aos seus objetivos ou desconhecem as suas possibilidades.

Entretanto, conhecer as vantagens proporcionadas por cada lugar é essencial para garantir um bom retorno sobre o seu investimento e atingir o público correto.

Pensando nisso, preparamos este artigo. Com ele, você vai conhecer 5 ideias de locais para aplicar mídia digital indoor e, assim, montar uma estratégia campeã. Vem conosco!

O que é importante saber antes de escolher um local para aplicar mídia digital indoor?

Às vezes, a escolha equivocada de um local para aplicar mídia digital indoor pode colocar todo o seu investimento de conteúdo a perder. Por isso, existem algumas considerações básicas a fazer e pontos para prestar atenção antes mesmo de definir onde anunciar. Confira!

  • Custo por mil impactos (C.P.M.): quanto você vai gastar para atingir mil pessoas no local;
  • Índice de receptividade e dispersão: qual atividade as pessoas estarão fazendo no local, o quanto elas estão dispostas a ver o seu anúncio;
  • Tempo de permanência: quanto tempo as pessoas costumam ficar no lugar. Isso influência diretamente no índice de recall, que é a lembrança do anúncio.

Onde aplicar mídia digital indoor?

1. Academias

As academias estão se tornando cada vez mais cogitadas quando se fala em locais para aplicar mídia digital indoor. Quando pensamos que o Brasil é o segundo país com o maior número de academias por habitantes, isso não é nenhuma surpresa.

Com o mercado fitness em plena expansão e um público bem segmentado, as academias atraem a atenção do setor de MDOOH. As vantagens são claras quando pensamos nesse tipo de ambiente:

  • geralmente são fechados e possuem poucas distrações;
  • o conteúdo do anunciante é bem recebido, visto que o público assiste no seu momento de lazer;
  • longo período de exposição do seu conteúdo, visto que o tempo médio que os alunos permanecem nesse ambiente é de 30 minutos a 2 horas;
  • alto índice de recall, já que, devido ao tempo de permanência, os alunos vão visualizar os anúncios mais de uma vez.

Essas oportunidades são enxergadas principalmente por anunciantes da área de saúde e beleza que mesclam anúncios com conteúdos de qualidade e atingem o seu público em cheio.

2. Estações e frota de metrôs urbanos

Uma das aplicações mais comuns de MDOOH no Brasil, os terminais de metrô de grandes cidades são disputados pelos anunciantes que desejam popularizar o seu produto e vincular a sua mensagem ao dia-a-dia das pessoas. Os próprios governos estaduais são responsáveis por vender o espaço publicitário.

Quando vamos para a parte prática, as vantagens se multiplicam, assim como o público atingido. Em São Paulo, por exemplo, 82% dos usuários admitiram olhar para os anúncios e 47% deles se lembram das marcas que viram. A estatística foi divulgada pelo próprio governo paulista.

Ao lembramos que, em média, 4 milhões de pessoas utilizam esse tipo de transporte diariamente, investir em uma estratégia de mídia indoor digital nesse local pode ser uma ótima ideia. Se o seu plano envolve atingir públicos diversificados, grande visibilidade e um bom C.P.M. (Custo por mil impactos), então considere anunciar no metrô.

3. Salões de beleza e barbearias

Outro bom local e com um público bastante selecionado, os salões de beleza e, atualmente as barbershops, são ideais para transmitir anúncios desse segmento. Apesar de não possuírem um alto índice de circulação diária, esses locais possuem um elevado índice de permanência.

Considere também que o público atendido pelos salões geralmente está mais inclinado a aceitar anúncios sobre beleza, saúde e, até mesmo moda. A dica é posicionar o monitor em locais estratégicos, onde clientes em atendimento possam ver.

Confira outras dicas para anunciar nesses locais:

  • faça uma parceria com o estabelecimento em questão para a venda dos seus produtos in loco ou ofereça descontos para os clientes;
  • aposte sempre em mais de um salão, para poder monitorar a eficácia de cada local;
  • alterne os anúncios com conteúdos personalizados, como dicas de saúde, beleza e moda.

4. Hotéis, pousadas e resorts

Caso você não deseje se preocupar com a atualização diária dos conteúdos e queira atingir um grande número de pessoas diariamente, os hotéis e resorts são uma opção.

Visto que esses locais contam com um público que dificilmente se repete, você pode economizar com automação dos conteúdos e, mesmo assim, despertar o interesse das pessoas.

Antes de aplicar MDOOH no setor hoteleiro, fique por dentro dos períodos de maior circulação de turistas. Prefira investir na alta temporada para aumentar o seu ticket médio e varie nas formas de publicidade: disponibilizar conteúdos impressos que confiram autoridade para o vídeo ou, até mesmo, mídia indoor tradicional são algumas das opções!

5. Redes varejistas

Redes varejistas são templos de consumo. Nada mais propício do que escolher esses pontos de venda para veicular os seus anúncios, não é mesmo? Além de atender a diversos tipos de clientes, a rede varejista permite ao anunciante estimular a compra diretamente onde ela acontece.

Quando consideramos que 60% das decisões de compra são realizadas nos pontos de venda a ideia de trabalhar com MDOOH no varejo se torna ainda melhor. Confira outros dados que podem auxiliar na escolha por esses locais:

  • aplicar digital sineage nos PDVs ajuda a reforçar a imagem das marcas, de acordo com pesquisa da Samsung;
  • de acordo com dados da InfoTrends, os anúncios no PDV podem aumentar em até 30% as vendas finais.
  • 42% do público que consome mídia digital prefere comprar em estabelecimentos com telas. Os dados são da VCA Global.

Percebeu como ter informações sobre os locais para aplicar mídia digital indoor faz toda a diferença na hora de investir em MDOOH? Por isso, além de pensar no conteúdo, gaste um tempo considerando o melhor local para a aplicação da sua estratégia.

Está interessado em utilizar mídia digital indoor? Para isso, conte com a experiência de quem possui amplo conhecimento no assunto. Entre em contato agora mesmo com a Hashtagtv e descubra as diversas possibilidades de uso para o seu negócio!

Como criar um plano de mídia em 7 passos

Quase sempre um bom plano de mídia é responsável pelo sucesso de uma campanha. Isso porque quando um empresário dedica o seu tempo planejando e estruturando as ações, ele consegue focar os seus esforços em quem realmente importa: o público.

Além disso, um plano de mídia estruturado assegura que o seu dinheiro está sendo bem investido e que você sabe o que fazer para conseguir os resultados esperados.

Então, o que acha de aprender a estruturar um plano de mídia em 7 passos simples e aproveitar vantagens como engajar mais o seu público, aumentar o ticket médio e melhorar a imagem da sua empresa?

Ficou interessado? Acompanhe!

1. Comece pelo briefing do seu plano de mídia

Muitas vezes negligenciado, um bom briefing pode ajudar empresários e agências a elaborarem um plano de mídia de sucesso para uma campanha.

Quando esse documento é mal elaborado, torna-se complicado chegar a um consenso e toda a fase de execução pode ser comprometida ou atrasada para alinhar os seus objetivos com a campanha.

Por isso, fique atento aos tópicos essenciais de um bom briefing:

  • breve histórico da empresa;
  • informações estratégicas como SWOT, campanhas já realizadas e depoimentos dos clientes sobre a sua marca nas redes sociais
  • benchmarking com as boas ações dos principais concorrentes;
  • público atendido e clientes em potencial;
  • objetivos gerais e específicos da referida campanha como os resultados esperados;
  • budget disponível para a campanha;
  • prazos e cronogramas esperados.

2. Detalhe o seu público-alvo

Uma campanha pode ser consumida por diversas pessoas, mas a ideia é que ela impacte de uma forma diferente o público que você deseja atingir.

Para que isso seja possível, é preciso estar ciente sobre para quem você vai falar. Você deve observar que todos os outros processos serão elaborados a partir dessa informação.

Por isso, você deve ir além de dados gerais, como faixa etária, localização e gênero. É preciso atribuir características mais específicas ao público e criar um perfil de um consumidor ideal, que os profissionais de marketing chamam de persona.

Uma persona é um modelo de cliente semifictício, criado a partir de informações reais e idealizadas de cliente.

Por exemplo:

Joana Silva, 33 anos. Tem dois filhos e tenta conciliar o seu curso superior com as tarefas de casa. Tem uma vida corrida, mas não deixa de consumir conteúdos online, como notícias, sites de gastronomia e redes sociais. É muito influente entre as suas amigas e mantém interações diárias com elas no Facebook.

Com esse nível de detalhamento, é possível segmentar a sua campanha e torná-la mais personalizada. Assim, você vai conseguir atingir o público de uma forma mais contundente, transformando prospectos em clientes.

3. Defina a parte criativa da campanha

Para ajudar a guiar os rumos de uma campanha, vale definir a sua parte criativa. Como você deseja que ela se relacione com o público?

Para chegar até essas respostas, vale fazer um retrospecto e lembrar o que deu certo e até mesmo aquilo que não funcionou tão bem em campanhas anteriores.

Outro tópico importante que deve ser conversado com a sua agência são informações como onde o anúncio vai ser exibido e o tempo de veiculação da campanha. Isso vai fazer com que você não invista em algo que não terá apelo com o seu target.

Dessa forma, a equipe responsável pela elaboração do plano de mídia estará pronta para analisar o que o seu público consome e para definir o meio de comunicação mais adequado para veicular a campanha. 

4. Pense em objetivos mensuráveis

É na hora de definir os objetivos que clientes e agências acabam entrando em conflito. Isso acontece, pois muitos empresários não conseguem elaborar metas mensuráveis. Dessa forma, não é possível medir o sucesso ou fracasso de uma campanha.

Também é comum a criação de objetivos muito genéricos ou impossíveis de serem atingidos por meio da campanha em questão.

Veja alguns exemplos de objetivos que NÃO devem figurar em um plano de mídia:

“Aumentar o lucro da empresa”

“Vender mais produtos X”

“Estimular o tráfego no site da empresa”

Em vez disso, tente quantificar as suas metas. Aumentar o lucro da empresa é algo imensurável, ao passo que “aumentar em 30% o lucro líquido da empresa até o fim da veiculação da campanha” é uma meta considerável.

Uma equipe pode estudar meios de atingi-la e você, como empresário, pode observar se, no final da campanha, o seu objetivo foi alcançado.

Lembre-se de que os objetivos devem ser acordados entre você e a agência ou time responsável pela elaboração da campanha. Fatores, como custos e cronograma, estarão diretamente ligados a eles.

5. Escolha as táticas adequadas

Com um briefing completo, informações detalhadas sobre o público que você deseja atingir e objetivos claros, é possível partir para a parte mais prática do plano de mídia.

Esse passo consiste em definir como a sua campanha vai ser veiculada. Por meio de posts patrocinados? Vídeos online? Investimento em mídias out of home? Integração de ações digitais e in loco?

A escolha da tática correta depende de uma boa estruturação de todas as etapas anteriores.

6. Acompanhe os resultados

O ideal é que você possa acompanhar os resultados da sua campanha diariamente. Isso permitirá que a equipe ajuste as táticas empregadas sempre que for preciso.

Agências especializadas estão acostumadas com esse processo e podem enviar relatórios diários com informações concisas sobre o andamento da campanha.

Desse jeito, você não perde tempo lendo gráficos infindáveis e acompanhando planilhas desorganizadas.

7. Consulte agências especializadas

Seguir todos os passos para a elaboração de um plano de mídia pode se tornar uma tarefa complicada se você não tem o tempo necessário para se dedicar a esse objetivo.

É por isso que a maioria dos empresários que enxergam as mídias online como um caminho para conseguir resultados inovadores acabam trabalhando em parceria com agências especializadas.

Em termos de custo-benefício, essa acaba sendo a decisão mais acertada. É que quando você delega esse serviço para uma equipe com expertise no assunto, sobra mais tempo para se dedicar ao seu negócio.

Então, dedique um tempo para buscar agências especializadas, peça orçamentos e veja qual é a mais adequada para desenvolver o seu plano de mídia.

Gostou deste artigo e quer ir além do convencional? Então, conheça a importância do conteúdo automatizado em digital signage e entenda por que tantas empresas estão aderindo a essa técnica!